sexta-feira, 15 de maio de 2009

T.P.M - Manutenção Produtiva Total


Durante muito tempo as indústrias funcionaram com o sistema de manutenção corretiva, com isso, ocorriam desperdícios, retrabalhos, perda de tempo e de esforços humanos, além de prejuízos financeiros. A partir de uma análise desse problema, passou-se a dar ênfase na manutenção preventiva. Com enfoque nesse tipo de manutenção, foi desenvolvido o conceito de manutenção produtiva total, conhecido pela sigla TPM (Total Productive Maintenance), que inclui programas de manutenção preventiva e preditiva.






A origem do TPM
A manutenção preventiva teve sua origem nos Estados Unidos e foi introduzida no Japão em 1950. Até então, a indústria japonesa trabalhava apenas com o conceito de manutenção corretiva, após a falha da máquina ou equipamento. Isso representava um custo e um obstáculo para a melhoria de qualidade.
Na busca de maior eficiência da manutenção produtiva, por meio de um sistema compreensivo, baseado no respeito individual e na total participação dos empregados, surgiu a TPM, em 1970, no Japão.







Desenvolvimento do Conceito Manutenção


Neste período era comum:
a) Avanço na automação industrial;
b) Busca em termos de melhoria da qualidade;
c) Aumento da concorrência empresarial;
d) Emprego do sistema ‘just-in-time”;
e) Maior consciência de preservação ambiental e conservação de energia;
f) Dificuldades de recrutamento de mão-de-obra para trabalhos considerados sujos, pesados ou perigosos;
g) Aumento da gestão participativa e surgimento do operário polivalente.

Todas essas ocorrências contribuíram para o aparecimento do TPM. A empresa usuária da máquina se preocupa em valorizar e manter o seu patrimônio, pensando em termos de custo do ciclo de vida da máquina ou equipamento. No mesmo período, surgiram outras teorias com os mesmo objetivos.

Com o envolvimento de todos os níveis da organização, o apoio da alta gerência e as atividades de pequenos grupos de operadores originaram a Manutenção Produtiva Total, aplicada pela primeira vez pela empresa Nippondenso, um dos principais fornecedores japoneses de componentes elétricos para a Toyota Automotive. 
   Sob a liderança do Instituto Japonês de Engenharia de Planta (JIPE - Japanese Institute of Plant Engineering) na figura de Seiichi Nakajima. O JIPE foi o precursor do Instituto Japonês de Manutenção de Plantas (JIPM - Japanese Institute of Plant Maintenance), o órgão máximo de disseminação do TPM no mundo.
Sitio Japan Institute of Plant Maintenence

Com o passar dos anos, o conceito TPM foi se aprimorando, inicialmente estava focado nos equipamentos e posteriormente no sistema produtivo e atualmente é uma estratégia  global da empresa, conforme o quadro abaixo:

Evolução do Conceito TPM




 Os oito pilares 
 Os oito pilares do TPM, são as bases sobre as quais um programa consistente , envolvendo toda a empresa nas principais metas: zero defeitos, zero acidentes, zero quebra, zero falhas, aumento da disponibilidade de equipamento e lucratividade.

Pilares da Manutenção Produtiva Total

1) Manutenção Autônoma
É o processo de capacitação dos operadores, com a finalidade de torná-los aptos a promover no seu ambiente de trabalho mudanças que garantam altos níveis de produtividade. As principais etapas de implantação são:
- Limpeza inicial
- Eliminação das fontes de sujeiras e locais de difícil acesso
- Elaboração de normas de limpeza, inspeção e lubrificação
- Inspeção geral
- Inspeção autònoma
- Padronização
- Gerenciamento autônomo
Etiqueta Azul (operadores) e Vermelha (mantenedores)


OS 8 PASSOS PARA O DESENVOLVIMENTO DA MANUTENÇÃO AUTÔNOMA
PassosObjetivosPontos a destacar
1. Limpeza Inicial
- Eliminar toda a sujeira e escombros, e prevenir a deterioração acelerada;
- Identificar os problemas ocultos que tornam-se aparente pela limpeza e corrigi-los;
- Familiarizar-se com o equipamento e sensibilizar-se com as suas necessidades;
- Aprender a debater problemas em grupo;
- Aprender as habilidades da liderança;
- Desenvolver o espírito de equipe (grupo).
LIMPEZA É INSPEÇÃO
Aprende-se gradativamente que "limpeza é inspeção" e é bem mais do que passar um pano no equipamento.
2. Determinar as causas de sujeira nos equipamentos
- Eliminar as causas das sujeiras;
- Eliminar esparramento de pó e contaminantes;
- Aumentar a confiabilidade do equipamento;
- Analisar e definir em grupo as melhorias para eliminar as causas de sujeira;
- Sentir satisfação na implementação das melhorias;
"PREVENIR ESPARRAMENTO DAS SUJEIRAS. CONFINANDO-OS"
Ao melhorar a limpeza dos equipamentos, o pessoal não só aprender a efetuar melhorias, mas também prepara-se para as futuras atividades de grupo para melhorar as condições operacionais do equipamento.
3. Melhorar o acesso as áreas difíceis de limpar
- Reduzir ao máximo o tempo necessário para limpeza, lubrificação e inspeção;
- Melhorar a manutenibilidade através da melhorias da limpeza e da lubrificação;
- Tornar a administração/gerenciamento transparente através de simples controle visual;
- Sentir satisfação na implementação das melhorias.
"DÍFICIL DE LIMPAR SIGNIFICA DIFÍCIL DE INSPECIONAR"
Através dos passos 1, 2 e 3 elimina-se a DETERIORAÇÃO ACELERADA
4. Padronizar as atividades da manutenção autônoma
- Controlar os três fatores chaves da prevenção de deterioração: limpeza, lubrificação e aperto de parafusos;
- Elaborar procedimentos padronizados para os serviços rotineiros de limpeza, lubrificação e inspeção;
- Detectar a importância do trabalho de equipe (papel de cada um no grupo);
- Estudar as funções básicas e a estrutura do equipamento.
"DECISÕES FIRMES E ADESÃO TOTAL"
Elaborando e revisando os seus próprios procedimentos, os operadores aprendem que da mesma maneira que o pessoal da manutenção, eles devem definir, implementar e assumir as suas próprias decisões de manutenção.
5.Desenvolver habilidades de inspeção geral
- Procedimentos simples para: lubrificação e inspeção.
- Aprender a identificar as condições de desempenho ótimo dos equipamentos e tornar-se hábil em diagnosticar;
- Trabalhar conjuntamente com o pessoal de manutenção para desenvolver as habilidades de manutenção e para prevenir a deterioração;
- Efetuar a inspeção geral do equipamento para detectar as partes gastas/danificadas e assim aumentar a disponibilidade;
- Modificar o equipamento para facilitar a inspeção e manutenção;
- Desenvolver espírito de grupo, aprendendo com as pessoas mais experientes.
TORNAR-SE OPERÁRIOS QUE DOMINAM OS EQUIPAMENTOS, CAPAZES DE ESTABELER CONDIÇÕES"
Os operadores aprendem a administrar/manter seus equipamentos através de estudo de instrução, melhoram as suas habilidades através da prática e avaliam o seu nível de competência através de testes.
6. Conduzir a manutenção autônoma
- Utilizar com eficiência os check-list e os procedimentos padrões;
- Aumentar a disponibilidade operacional e elucidar as condições anormais;
- Reconhecer a operação correta, as anormalidades e as ações corretivas apropriadas;
- Tornar-se autônomo elaborando os seus próprios check-list.
"EDUCAR OS MEMBROS DO GRUPO PARA QUE POSSAM DOMINAR OS EQUIPAMENTOS E CONTROLAR SUAS CONDIÇÕES"
Os membros do grupo são avaliados sobre os seus conhecimentos e atuação nas inspeções.
7. Organizar e administrar a área de trabalho
- Assegurar a qualidade e a segurança, padronizando os procedimentos de organização e limpeza da área, melhorando a produtividade;
- Padronizar as quantidades e a estocagem das peças em processo, matérias-primas, produtos, peças de reserva, ferramentas, dispositivos, etc;
- Facilitar a administração e controle da manutenção implementando sistemas de controles visuais;
- Elevar os padrões e assegurar que estes padrões mais elevados sejam seguidos.
"GERENCIAMENTO DA ÁREA DE TRABALHO, PADRONIZAÇÃO E GERENCIAMENTO DOS CONTROLES"
Este passo força a padronização das normas e dos controles, a melhoria dos padrões, e o uso de controles visuais para facilitar o gerenciamento da manutenção.
8. Empenhar-se para o gerenciamento autônomo
- Dedicar-se às melhorias que permitem alcançar as metas da empresa;
- Coletar a analisar os dados que permitem visualizar melhorias na disponibilidade, na manutenibilidade e na operacionalidade;
- Empenhar-se para o melhoramento contínuo;
- Aprender a registrar e analisar dados dos equipamentos;
- Efetuar reparos simples.
"EFETUAR ATIVIDADES DE MELHORIAS QUE REFORÇAM AS METAS DA EMPRESA"
As atividades dos operadores são monitoradas para que sejam consistentes e de acordo com as metas da empresa.
Através do passo 8 OPERA-SE COM LUCRATIVIDADE
O operador está AUTÔNOMO mas não SOLTO, está sob CONTROLE e é ADMINISTRADO através das informações (visuais) do nível de seus GERENCIAMENTO. Neste estágio, os objetivos da Manutenção Autônoma encontram-se com os objetivos de redução de custos da empresa. Os grupos são engajados na busca do melhoramento contínuo.


2) Manutenção Planejada

A manutenção planejada desenvolve os mantenedores na execução de um sistema de manutenção mais efetivo,
trabalhando com a equipe operacional, tendo como principal objetivo o de eliminar todas as perdas que possam a vir ocorrer. As principais etapas são:
- Análise da diferença entre condições básicas e condição atual
- Melhorias nos métodos atuais
- Desenvolvimento dos padrões de manutenções
- Medidas para estender a vida útil do equipamento e controlar as inconveniências
- Melhoria da eficiência da inspeção e do diagnóstico
- Diagnóstico geral do equipamento
- Uso adequado do equipamento até o seu limite



3) Melhorias Específicas

 Tem como objetivo a eliminação das perdas existentes no processo produtivo, obtendo a eficiência máxima dos equipamento. Suas etapas de implantação são:

- Redução das grandes paradas que geram ineficiências

- Melhoria da eficiência global dos equipamentos (OEE)

- Melhoria da produtividade do trabalho

- Promoção da produção sem interferência humana (MTBF>60 min)

- Redução de custo
- Aumento da disponibilidade no período noturno

4) Educação ; Treinamento
O objetivo deste pilar é o de promover um sistema de capacitação para todos os funcionários tornando aptas para desenvolverem suas atividades com responsabilidades e segurança e promovendo um ambiente de trabalho saudável. Suas etapas de implantação são:
- Determinação do perfil ideal dos operadores e mantenedores
- Avaliação da situação atual 
- Elaboração do plano de treinamento para operadores e mantenedores
- Implantação do plano
- Determinação de um sistema de avaliação do aprendizado
- Criação de um ambiente de auto-desenvolvimento
- Avaliação das atividades e estudos de métodos para atividades futuras




5) Manutenção da Qualidade
A redução dos defeitos ocorrem como o resultado da implantação do programa TPM, durante a sua implantação os resultados são significativos. O desenvolvimento do pilar da manutenção da qualidade se torna necessária para dar continuidade ao programa de redução dos defeitos. Suas etapas de implantação são:
- Levantamento da situação da qualidade
- Restauração da deterioração
- Análise das causas
- Eliminação das causas
- Estabelecimentos das condições livres de defeitos
- Controle das condições livres de defeitos
- Melhorias das condições livres de defeitos

6) Controle Inicial
Na abordagem terotecnológica do ciclo de vida de um equipamento esta dividido nas seguintes fases: especificação, projeto, fabricação, instalação, comissionamento, operação e substituição. O controle inicial é o intervalo de tempo entre a fase de especificação até a fase de comissionamento ou partida, quando ao seu final o equipamento é entregue ao departamento de produção para a operação plena. As  etapas de implantação são:
- Análise da situação atual
- Estabelecimento do sistema de gerenciamento da fase inicial
- Aprimoramento e treinamento sobre o novo sistema estabelecido
- Aplicação efetiva do novo sistema de gerenciamento da fase inicial

7) TPM Administrativo
Responsável em conduzir o programa e formar os times de melhorias para atuar nas resoluções dos problemas, utilizando a metodologia MASP (Metodologia de Análise e Solução de Problemas). As principais perdas que geram paradas no processo são analisadas e seus possíveis ganhos são contabilizados.


8) TPM Segurança, Saúde e Meio-ambiente

É o pilar responsável em  manter o indicador de acidente zero, doenças ocupacionais zero e danos ambientais zero. Suas fases de implantação:
- Identificações de perigos, aspectos, impactos e riscos
- Eliminação de perigos e aspectos
- Estabelecimento do controle de impactos e riscos
- Treinamento em segurança, saúde e meio-ambiente
- Inspeções de segurança
- Padronização
- Gestão autônoma




Objetivos do TPM
O objetivo global do TPM é a melhoria da estrutura da empresa em termos materiais (máquinas, equipamentos, ferramentas, matéria-prima, produtos etc.) e em termos humanos (aprimoramento das capacitações pessoais envolvendo conhecimento, habilidades e atitudes). A meta à ser alcançada é o rendimento operacional global.

As melhorias devem ser conseguidas por meio dos seguintes passos:

a) Capacitar os operadores para conduzir a manutenção de forma voluntária.
b) Capacitar os mantenedores a serem polivalentes.
c) Capacitar os engenheiros a projetarem equipamentos que dispensem manutenção, isto é; o “ideal” da máquina descartável.
d) Incentivar estudos e sugestões para modificação dos equipamentos existentes a fim de melhorar seu rendimento,
e) Aplicar o programa dos oito S:
1-Seiri= organização; implica eliminar o supérfluo.
2-Seiton= arrumação; implica identificar e colocar tudo em ordem.
3-Seiso = limpeza; implica limpar sempre e não sujar.
4-Seiketsu= padronização; implica manter a arrumação, limpeza e ordem em tudo.
5-Shitsuki= disciplina; implica a autodisciplina para fazer tudo espontaneamente.
6.Shido= treinar; implica a busca constante de capacitação pessoal.
7.Seison= eliminar as perdas.
8.Shikaro yaro= realizar coma determinação e união.

f) Eliminar as seis grandes perdas:
1. Perdas por quebra.
2. Perdas por demora na troca de ferramentas e regulagem.
3. Perdas por operação em vazio (espera).
4. Perdas por redução da velocidade em relação ao padrão normal.
5. Perdas por defeitos de produção.
6. Perdas por queda de rendimento.

g) Aplicar as cinco medidas para obtenção da “quebra zero”:
1. Estruturação das condições básicas.
2. Obediência às condições de uso.
3. Regeneração do envelhecimento.
4. Sanar as falhas do projeto (terotecnologia).
5. Incrementar a capacitação técnica.


Gestão à Vista




Exemplos



Fonte: http://www.numa.org.br/gmo/itens/producao%20enxuta.htm


Fonte: http://www.numa.org.br/gmo/itens/producao%20enxuta.htm


Fonte: http://www.numa.org.br/gmo/itens/producao%20enxuta.htm


Fonte: http://www.numa.org.br/gmo/itens/producao%20enxuta.htm


Fonte: http://www.numa.org.br/gmo/itens/producao%20enxuta.htm


Fonte: http://www.numa.org.br/gmo/itens/producao%20enxuta.htm


Fonte: http://www.numa.org.br/gmo/itens/producao%20enxuta.htm


Fonte: http://www.numa.org.br/gmo/itens/producao%20enxuta.htm


Fonte: http://www.numa.org.br/gmo/itens/producao%20enxuta.htm









Fonte: https://www.dropbox.com/sh/z65cw8489elrzf4/oUohOCEW1V/Artigos/GEST%C3%83O%20%C3%80%20VISTA%20RESUMIDO%20PDF.pdf







Fonte: http://www.pdca.com.br/site/nossos-produtos.html




Fonte: http://blog.br.kaizen.com/2013/01/16/5s-em-servicos/





Confira as seguintes postagem no Blog, sobre SMED e OEE
http://engenhariadeproducaoindustrial.blogspot.com.br/2012/02/smed-single-minute-exchange-of-die.html
http://engenhariadeproducaoindustrial.blogspot.com.br/2012/04/oee-overall-equipaments-effectiveness.html

Fontes:
http://www.google.com.br/url?sa=t&rct=j&q=&esrc=s&frm=1&source=web&cd=3&ved=0CGIQFjAC&url=http%3A%2F%2Fwww.asq702.org%2Fdownloads%2FBMW%2520MT%2520Training%25200305.ppt&ei=9njZT-euLYiI9QSkicnuBQ&usg=AFQjCNF01DtFwy6-OYuqI2OzH_Lb3eJuuw&sig2=XJY8mSo1YRoDkSSp4unnYQ
http://www.jipm.or.jp/en/
http://www.numa.org.br/gmo/itens/producao%20enxuta.htm
http://www.pdca.com.br/site/nossos-produtos.html
http://blog.br.kaizen.com/2013/01/16/5s-em-servicos/
http://www.guiadografico.com.br/artigos/principios-da-manutencao-autonoma


24 comentários:

  1. Eder boa tarde, fiquei muito imprecionado com esse pequeno, claro e objetivo resumo sobre o MPT, trabalho em uma empresa do Distrito e estamos implantando o Programa, mais tenho analisado que os meus colegas operadores não conseguiram absorver de verdade o programa, queria saber se você pode me dar uma dica, sou operador de máquina.
    Eu converso quase que diariamente tentando mostrar qual a verdadeira finalidade e benefícios que o MPT proporciona, também peço que eles apliquem as nossas ferramentas de etiquetagem dos problemas,qu façam sugestões sobre melhorias e não esqueçam dos 5S mais mesmo assim eu cinto uma dificuldade deles entederem. Eu pensei em fazer uns foldes com algumas explicações bem básicas e objetivas sobre o nosso Pilar de MANUTENÇÃO AUTÔNOMA, o que você acha da idéia?

    ResponderExcluir
  2. Olá Antônio. É bem interessante a idéia do folder, sobre os conceitos básicos do TPM. Mas seria interessante também rever a estratégia do programa, levando um consideração a integração e a motivação da equipe. Segue algumas sugestões:
    1- Realizar uma matriz de treinamentos sobre o tema manutenção autonoma, seria interessante realizar teste após a realização dos treinamentos;Pequenas atividades motivacionais, tais como filmes, dinâmica de grupo (o setor de rh poderá lhe ajudar);
    2- Agrupar definir células por tipo de máquinas e equipamentos e definir um lider para cada célula;(líder substituido à cada 2 meses);
    3- Trabalhar os indicadores das células autônomas (Liderança, Produção, qualidade, manutenção, segurança;
    4- Incentivar a competição, através da criação de um campeonato de células autônomas, utilizando um check-list e a participação de auditores de outros setores. Realizar premiações e pequenas comemorações.

    ResponderExcluir
  3. Eder muito obrigado por sua resposta, mais pensei em fazer o folder, para que o assunto MPT volte a fazer parte das conversas dos meus colegas operadores (eu sei que não era para ser assim), e com isso penso em fazer um formulário onde serão auditados os parametros da máquina para verificar se os mesmos estão de acordo com a ficha técnica elaborada pela Engenharia, a organização e limpeza da máquina e verificar se os possíveis defeitos estão devidamente Identificados com as ETIQUETAS DE ANOMALIAS, com isso todo operador será um auditor por um dia e todo dia um operador diferente fazendo com que eles percebam a diferença entre uma máquina que prática o MPT e uma que não prática, será que vai funcionar, vou aproveitar a sua idéia sobre as células por máquinas, concerteza é uma ótima idéia.
    Sobre a dinâmica e o treinamento é um pouco complicado por que estamos em processo de contratação de novos funcionários, Graças a DEUS, e por isso estamos meio que sem condições de tempo disponível para essas atividades.
    Todo esse conteúdo de dinâmicas e treinamentos já aconteceram mais parece que meus colegas não soberam absorver o Programa.
    Eder muito obrigado e peço gentilmente que se você puder continuar me ajudando com suas sugestões e idéias e ficarei profundamente grato.
    Sou apenas um operador de Máquina que pensar em fazer as coisas da maneira mais fácil, eficiente, com qualidade total, produtiva e rentável para todos.
    Eu sei que é difícil mais eu vivo tentando mesmo assim.
    Hoje me diseram que estou ficando doido com esse tal de MPT.
    O que você acha dessa notícia, qual a sua opinião?
    Por que "NINGUÉM É DIGNO DO OÁSIS SE NÃO APRENDER ATRAVESSAR SEUS DESERTOS.
    MUITO OBRIGADO E UM FORTE E FRATERNO ABRAÇO.

    Antônio Maués

    ResponderExcluir
  4. olá!
    Apenas um operador hoje....
    Apenas um supervisor amanhã...
    Apenas um gerente na próxima semana...

    Continue estudando e aplicando os conceitos do TPM.

    ResponderExcluir
  5. Olá bom dia caros colegas, vou tira vários aprendizado sobre TPM., hoje estou concluindo o curso de Tecnologo e Segurança no Trabalho, cada dia buscando mais, continue sempre apresentando esse texto que só nos enriquece, um abraço.
    Ailton sacramento

    ResponderExcluir
  6. Bom dia a todos, gostei mto de saber que mtas pessoas estão procurando aprender mais sobre a TPM estou na 4º etapa, sou formanda em logisitca,buscando uma nova oportunidade e vejo como essa ferramenta e importante nas empresas, tudo que é novo incomoda, mais é necessario estarmos abertos para o novo...um abraço à todos .

    ResponderExcluir
  7. toda novidade no inicio tem um grau de rejeiçao mas depois. de seu entendimento se torna uma grande ferramenta para seu trabalho..

    ResponderExcluir
  8. ola estamos implantado na na enpmpresa ,porem estamos com problema de comunicação entre operadoers e manutenção,

    ResponderExcluir
  9. olá. a grande barreira existe na relação manutenção/qualidade/operação, pois há uma grande dificuldade em compartilhar conhecimentos.

    ResponderExcluir
  10. Ola caros colegas eu era mecanico de manutenção em uma grande empresa agora sou facilitador de implantação do projeto TPM, mas sinto que a gerencia não quer disponibilizar recursos para fazer o projeot andar e os operadores não estão motivados, devido a grande pressão que ja recebem no trabalho, pressão do tipo que nem podem ir ao banheiro, como consigo trazer eles para o nosso lado e motiva-los no TPM? obrigado e Um abraço

    ResponderExcluir
  11. Olá colegas como vocês venho da Área manutenção empresa Grande Grupo Vicunha, La o sistema de manutenção preventivas sempre funcionou, continuo trabalhando na Área em outra empresa só que lá as coisas não andam. temos om sistema de programação de preventivas que nunca temos máquinas disponível para manutenção queria saber se esse pode ser o problema. por favor de-me uma luz por favor.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. é fácil, mas caro, instale um stand by com as mesmas características do equipamento que está em operação quando um deles está na execução de manutenção, o outro está em operação

      Excluir
  12. Pessoal , tudo bém?
    As dúvidas de todos vocês são partes importante da evolução do TPM em suas Empresas.. O seredo é desenvolver a cultura das pessoas...

    ResponderExcluir
  13. OLÁ SENHORES,
    Trabalho em uma multinacional de grande porte.
    Estou há seis anos a frente da Ferramenta TPM .Essa metodologia é como se fosse um sistema de engrenagens. Tem que haver sincronismo entre as áreas. Essa não é uma ferramenta só de manutenção... Para dar certo, O sistema kamban, Set up rápido tem que funcionar perfeitamente... juntos como um sistema de engrenagens.
    O maior desafio é desenvolver as pessoas para gerar sustentabilidade a metodologia

    ResponderExcluir
  14. Alguém me pode ajudar com relatórios que tenham casos práticos onde se aplicaram ferramentas do TPM?
    Estou a fazer a tese em contexto empresarial e o meu tema de trabalho é o TPM?
    Contactem-me pelo mail: fernandoalberto.fsilva@gmail.com

    Obrigado a todos

    ResponderExcluir
  15. Certamente não encontraria explicação melhor!

    ResponderExcluir
  16. A tarefa mais dificil para desenvolver essa ferramenta na sua empresa é o fator de cultura de pessoal, trabalhar com máquinas é fácil elas não falam não reclamam, ser humano sim.

    Trabalhem bastante o pessoal.
    Estou tentando implantar essa ferramenta na empresa em que trabalho, esperamos um excelente resultado que é certo!

    ResponderExcluir
  17. Existe algum software que automatize e auxilie nas tarefas da TPM? Tipo um sistema onde você tenha todo controle de tudo isso que foi abordado no post...

    ResponderExcluir
  18. Sim, existem vários softwares de Gestão da Manutenção que tem o TPM incluso. Algumas empresas acabam desenvolvendo seu próprio software de sistema de gestão.

    ResponderExcluir
  19. Trabalho com o SAP e planilhas eletronicas de apoio...

    ResponderExcluir
  20. Me ajudou muito no processo logistico valeu.

    ResponderExcluir
  21. Boa tarde, Quais são as responsabilidades do secretario de TPM² ?

    ResponderExcluir
  22. Bom dia. O secretário bem como a secretaria do TPM são responsáveis pela formação e treinamento dos times de manutenção autônoma.

    ResponderExcluir
  23. bom dia preciso desta apresentação em PDF, existe como?

    ResponderExcluir